Criada a 11 de Abril de 2012 e inserida no IPS, a AAIPS é o órgão de representação máxima dos mais de seis mil estudantes do mesmo. Embora ainda não tenha completado um ano após a sua criação, a AAIPS tem como perspetivas um desenvolvimento rápido e eficaz no seio do Associativismo Estudantil e do Ensino Superior, sendo a aproximação aos estudantes uma prioridade. A AAIPS defenderá sempre os seus estudantes em prol de um bom ensino no IPS, bem como a defesa de igualdade entre todos os estudantes.

A implementação do Processo de Bolonha ditou um novo paradigma na frequência do Ensino Superior, em particular no tempo passado pelos estudantes nessas Instituições. A redução dos anos de curso, e especificamente no Ensino Superior Politécnico, originou um decréscimo na presença e participação dos estudantes na vida das Instituições.

Aliado a este facto, a crise económica sentida nos últimos anos levou a que os estudantes que ingressam no Ensino Superior se concentrem na atividade escolar e letiva para diminuir os encargos financeiros suportados maioritariamente pelas suas famílias, reduzindo o número de estudantes dispostos a investir do seu tempo pessoal para integrar organizações institucionais, regionais e/ou nacionais sobre temáticas relacionadas com o Ensino Superior, particularmente as Associações de Estudantes (AAEE).

Ao longo dos trinta anos de história do IPS, os estudantes sempre lutaram pelo direito de serem ouvidos nas principais decisões relativas à vida do mesmo, contudo e face ao contexto Nacional, explicitado a inexistência de motivação e participação ativa provocou sérias dificuldades na constituição de listas para os órgãos em que os estudantes têm assento, em concreto para as associações de estudantes. Esta situação incitou nos dirigentes associativos uma necessidade de união das estruturas representativas dos estudantes do Instituto.

Com este objetivo em mente, foram realizadas reuniões entre os responsáveis das Associações de Estudantes, até que a 23 de Março de 2011 as AAEE representantes dos estudantes das cinco Unidades Orgânicas (UO) do IPS assinaram um documento em que indicavam como novo rumo para a representação estudantil no IPS, a constituição de uma Associação Académica. Existindo a concordância entre as Associações, foi seguidamente necessária a aprovação do projeto por parte dos estudantes (tendo sido convocadas com este propósito Assembleias Gerais de Alunos em cada uma das AAEE das UO’s do IPS).

Após a aprovação do projeto por parte dos estudantes, foi criada uma Comissão Estatutária com o grande objetivo, elaborar os Estatutos da AAIPS. Esta mesma comissão foi composta por dez estudantes do Instituto (um dirigente associativo por cada AAEE e ainda um estudante não dirigente associativo de cada UO) e três membros cooptados, sendo um desses três membros, a ex-presidente do IPS, Professora Doutora Cristina Figueira, que presidiu a respetiva comissão.

Concluída a elaboração dos Estatutos, foi fundada em 29 de julho de 2011 a Comissão Instaladora da Associação Académica do Instituto Politécnico de Setúbal (CI-AAIPS) presidida pelo estudante Bruno Fragueiro (presidente da Associação de Estudantes da Escola Superior de Tecnologia de Setúbal), com o intuito de gerar condições de trabalho essenciais para, aquando a tomada de posse dos primeiros Órgãos Sociais da AAIPS, esta iniciar logo a sua atividade. Representando cerca de seis mil estudantes, foram necessários objetivos claros, concretos e bem definidos, fundamentais para o crescimento e estabelecimento da AAIPS nos primeiros anos, não só no IPS, mas também na cidade de Setúbal e a nível Nacional.

Tendo por base a ideologia criada pela CI-AAIPS e adotada pela anterior direcção, é de realçar que esta direção também irá adotar uma estrutura sustentada por pelouros, com áreas distintas mas complementares, em que irá assentar a sua atividade e orientação nos princípios estabelecidos. Numa comunidade cada vez mais ampla e diversificada é necessária uma presença mais abrangente, pois as dificuldades não são estáticas, evoluem e sofrem alterações com o tempo, exigindo-nos uma maior proatividade e planeamento. Deste modo, os pelouros deverão assumir um papel fulcral na dinamização da ação e atividade da AAIPS nos anos que se seguem.